Contatos

Acompanhe o trabalho da AMME pela evangelização, apoie essa grande obra.

Para contato por e-mail com o portal da evangelização escreva para: portal@evangelizabrasil.com

Para contato telefônico com a AMME Evangelizar e Salva Vidas prefira ligar para (11) 4428 3222.

Atenção: Novo endereço do escritório da AMME - Avenida Itamarati, 192 - Vila Curuçá, Santo André - SP, 09290-730

Facebook: Curta a página da AMME no Facebook [clique]

Ofertas

A AMME evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas daqueles a quem serve (Gl 6:6).

Doe agora (pagseguro), faça sua oferta , com segurança e facilidade. Clique no botão ‘Doar’ e siga as instruções.

 

Deposite sua oferta para AMME no Banco do Brasil Agência: 1557-1 Conta: 115278-5

Para ofertas mensais solicite boletos por telefone: (11) 4428 3222, e-mail: portal@evangelizabrasil.com

Para ofertas em material, equipamento e serviço consulte as especificações pelo telefone (11) 4428 3222

Bookmark and Share

Oficina da AMME

Solicite agora uma oficina de evangelização para a sua igreja. Clique>

Bookmark and Share

O livro de Marcos

Essa é a nova publicação evangelística da AMME para ajudar sua igreja na evangelização. Para mais informações [clique aqui].

Bookmark and Share

A visão de Cristo

Para ajudar a Igreja Brasileira é preciso olhar para ela como Cristo a vê. Conheça o Manifesto da Visão que tem orientado a AMME evangelizar desde a sua fundação. Nossa visão é chamar a Igreja Brasileira de volta ao primeiro amor e ajudá-la a fazer as coisas mais importantes. Seis minutos de leitura: A Visão de Cristo (7790)

Bookmark and Share

10. Você sabe o que é amor?

#PACI17 – faltam 11 dias
“16 Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos. 17 Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus? 18 Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.” 1João 3:16-18

Fala-se muito em amor, e até mesmo os não crentes acham que sabem resumir a proposta do cristianismo em ‘amor ao próximo’. Contudo, as pessoas que falam tanto em amor, será que sabem o que é esse amor de fato? Sabem como medir o amor no cristianismo e como colocá-lo em prática? Esse texto, se examinado atentamente, vai nos mostrar que muitas obras de caridade não passam nem perto do que é o amor verdadeiro defendido por esse texto.

[Ver] O que você vê nesse texto?
João está explicando o amor como prática da justiça. Primeiro ele deu um exemplo negativo, usando Cain como exemplo. Agora ele toma Jesus como modelo do verdadeiro amor que devemos imitar.

  • Como podemos saber o que é o amor verdadeiramente e como isso deve afetar o cristão? “Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos.” – o padrão de amor é definido pela conduta de Jesus, ele deu (ofereceu) sua vida (psique) por nós. A ideia de dar é expressa por uma palavra que significa colocar horizontalmente, como em um sacrifício. Apesar da morte de Jesus na cruz, o uso do termo ‘psique’, traduzido como vida, indica a sede das emoções, desejos e a própria identidade da pessoa. Não é a morte física de Jesus que está em questão, mas o fato de que ele se esqueceu de si mesmo, daquilo que queria ou sentia, para se colocar em nosso lugar. É isso que João chama seus leitores a imitar, já que os chama a dar nossa ‘psique’ pelos irmãos.
  • Como esse dar a vida pelos irmãos acontece na prática? “Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus?” – o temos traduzido por ‘tiver’ é literalmente ‘segurar’. O termo traduzido com ‘vendo’ é uma palavra que indica uma análise cuidadosa, ver para entender. Já o termo traduzido como ‘compadecer’ é literalmente ‘fechar o coração’. O interessante nesta frase é que o termo traduzido como ‘recursos materiais’ é exatamente aquele relacionado em 1João 2:16, cuja ostentação não é do Pai, mas do mundo. Dessa forma João estabelece uma tensão entre ostentar os bens ou abrir o coração para os irmãos. Isso define se o amor de Deus habita no crente ou não.
  • João continua polarizando as questões para estabelecer a verdade; quais os extremos que ele define na prática do amor? “Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.” – amar de palavra ou de boca (língua), ou amar em ação e em verdade (sinceridade). João faz uma clara convocação a um amor prático, que demonstra sua sinceridade ao abrir o coração para as necessidades dos irmãos (literalmente ‘do mesmo útero’) e agir, no uso dos bens materiais que de outro modo poderia ostentar.

[Ouvir] O que você ouve nesse texto?
Ao tratar do que não é a prática do amor, João usa dois termos frequentes na expressão do poder da Palavra pregada: “Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca”. Será que João está dizendo que as ações caridosas são mais práticas e mais sinceras do que a pregação, do que a Palavra? Certamente que não! Sobre a Palavra João diz: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele (da Palavra); sem ele (a Palavra), nada do que existe teria sido feito” João 1:3. Naquele texto fundamental, todas as coisas são feitas pela Palavra, essa mesma Palavra que anunciamos por ordem de Jesus. E de que forma João orienta os crentes ao verdadeiro amor? Pela Palavra! Então como se entende a exortação dele ao amor prático?

  • “Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos” – a ênfase da prática está em nossa disposição para oferecer nossa vida e não os nossos bens e obras de caridade. É o sacrifício de nossos sentimentos, desejos e identidade que determinam o sucesso desse amor verdadeiro. É possível ser egocêntrico mesmo sem ser egoísta, como diz Paulo aos coríntios: “Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá” 1 Coríntios 13:3.
  • “…devemos dar a nossa vida por nossos irmãos” – João é específico sobre quem deve ser o alvo de nosso sacrifício. Não se trata de uma caridade aleatória, pelo mérito de si mesma, em uma relação de rico doador e de pobre recebedor. Trata-se da dinâmica de uma família, dos filhos nascidos de um mesmo Pai, do mesmo útero espiritual. João não está defendendo uma conduta humanista, mas o Corpo de Cristo e a relação entre os seus membros. Certamente vamos encontrar ensino bíblico sobre aqueles que são de fora, mas esse texto trata da solidez da Igreja em oposição aos hereges que tentam prejudica-la e que finalmente saem dela.
  • “Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus?” – A questão é bem comparativa. Não se trata da caridade primeiramente, mas de ‘segurar’ recursos desse mundo, anteriormente ditos como para a ostentação. Nesse caso, a pessoa preferiria os recursos que segura, que ‘guarda’ ao que o irmão que olhou atentamente e viu que está ‘atarefado’, ocupado, implicitamente lidando com uma necessidade. Essa é uma forma clara de amar esse mundo e o que no mundo há, então o amor de Deus não habita nele. A questão a ser combatida é primeiramente a avareza, da qual a falta de caridade é apenas uma consequência.
  • “Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.” – novamente, esse texto não é o ensino da caridade pela caridade. O que está em pauta em toda essa seção é a prática da justiça, é o que Tiago disse em suas palavras inspiradas por Deus, usando o mesmo exemplo da caridade: “Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta” Tiago 2:17.

Esse texto convoca os crentes à prática da justiça como prova de uma fé verdadeira. É quando os crentes agem como pregam que se identificam como crentes verdadeiros e desfazem a confusão teológica que enferma a Igreja. Uma dessas práticas da justiça está no relacionamento da comunidade da fé, em os crentes preferirem uns aos outros ao invés de seus próprios sentimentos, desejos, identidade e bens mundanos.

[Sentir] O que você sente nesse texto?
Você tem vivido uma fé verdadeira? Por exemplo, quando você fala sobre amor, você pratica isso em favor dos seus irmãos em Cristo? Você consegue colocar de lado suas próprias emoções, necessidades, desejos, sua identidade e até suas posses materiais, para se dedicar aos seus irmãos e ajuda-los em suas lutas? Se você age assim, então você sabe por experiência o que é esse amor que os crentes pregam. Pensando nisso, volte ao texto e responda às seguintes questões.

  • [-] Que coisas esse texto leva você a tirar de sua vida?
  • [+] Que coisas esse texto leva você a somar à sua vida?
  • [/] Que coisas esse texto leva você a dividir com os outros?
  • [x] Que coisas esse texto orienta para multiplicar o Reino?

…………………………………………………
Para mais estudos bíblicos em 1João veja:

01. Você tem comunhão com Deus? 1João 1:5-7
02. Você conhece Jesus? 1João 2:3-6
03. Você está na luz? 1João 2:9-11
04. Você tem o amor do Pai? 1João 2:15-17
05. Você tem o Pai? João 2:22,23
06. Você permanece no Filho e no Pai? 1João 2:24,25
07. Você permanece em Jesus? 1João 3:4-6
08. Você é nascido de Deus? 1João 3:7-10
09. Você já passou para a vida? João 3:11-15
10. Você sabe o que é amor? 1João 3:16-18
11. Você sabe se é da verdade? 1João 3:19-23
12. Você reconhece o Espírito de Deus? 1João 3:24-4:3
13. Você reconhece o Espírito da verdade? 1João 4:4-6
14. Você é nascido de Deus? 1João 4:7-12
15. Você permanece em Deus? 1João 4:13-16
16. Você ama a Deus? 1João 4:19-21
17. Você ama os filhos de Deus? 1João 5:1-3
18. Você tem a vida? 1João 5:10-13
19. Você é ouvido por Deus? 1João 5:14-17
20. Você é nascido de Deus? 1João 5:18-21

Bookmark and Share

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>