Contatos

Acompanhe o trabalho da AMME pela evangelização, apoie essa grande obra.

Para contato por e-mail com o portal da evangelização escreva para: portal@evangelizabrasil.com

Para contato telefônico com a AMME Evangelizar e Salva Vidas prefira ligar para (11) 4428 3222.

Atenção: Novo endereço do escritório da AMME - Avenida Itamarati, 192 - Vila Curuçá, Santo André - SP, 09290-730

Facebook: Curta a página da AMME no Facebook [clique]

Ofertas

A AMME evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas daqueles a quem serve (Gl 6:6).

Doe agora (pagseguro), faça sua oferta , com segurança e facilidade. Clique no botão ‘Doar’ e siga as instruções.

 

Deposite sua oferta para AMME no Banco do Brasil Agência: 1557-1 Conta: 115278-5

Para ofertas mensais solicite boletos por telefone: (11) 4428 3222, e-mail: portal@evangelizabrasil.com

Para ofertas em material, equipamento e serviço consulte as especificações pelo telefone (11) 4428 3222

Bookmark and Share

Oficina da AMME

Solicite agora uma oficina de evangelização para a sua igreja. Clique>

Bookmark and Share

O livro de Marcos

Essa é a nova publicação evangelística da AMME para ajudar sua igreja na evangelização. Para mais informações [clique aqui].

Bookmark and Share

A visão de Cristo

Para ajudar a Igreja Brasileira é preciso olhar para ela como Cristo a vê. Conheça o Manifesto da Visão que tem orientado a AMME evangelizar desde a sua fundação. Nossa visão é chamar a Igreja Brasileira de volta ao primeiro amor e ajudá-la a fazer as coisas mais importantes. Seis minutos de leitura: A Visão de Cristo (7882)

Bookmark and Share

A estrutura malígna

O presente artigo é parte do material de preparação dos facilitadores que atuarão no #PACI12 – PACIFICADORES, nossa escola de liderança para adolescentes e jovens evangélicos, que na presente edição fará o enfrentamento do desvio. O artigo procura descrever o cenário da atuação malígna no desvio (nossa luta não é contra a carne).


Uma inaceitável taxa de desvio diminui a contribuição que adolescentes e jovens poderiam dar para o estabelecimento da Igreja. No que se refere especialmente aos adolescentes e jovens, o relatório SUPER20, conjunto de dados sobre o crescimento da Igreja, demonstrou que 77% da Igreja Evangélica hoje assentada em nossos bancos foi formada por pessoas que se converteram até os 24 anos de idade. Nesse grupo de idades de 20 anos os adolescentes entre 11 e 17 anos tem a maior representatividade. Então não é novidade que o inimigo tenha organizado uma estrutura para seduzir, cativar e destruir essa parte importante da Igreja.

O relatório SUPER20 demonstrou que, dos crentes que se converteram quando crianças, adolescentes ou jovens e estão na igreja hoje, 27% se desviou e passou anos fora, durante os quais sofreram consequências do pecado que diminuiram sua capacidade e possibilidade de serem usados por Deus. A maior porcentagem nesse grupo foi a de adolescentes. Esses dados se referem apenas aos que se desviaram e retornaram. Embora não haja dados confiáveis sobre o total de desviados, é possível supor que o número dos que nunca retornaram seja bem maior.

Um dos aspectos do desvio apareceu em outra pesquisa realizada pela AMME: o crescente número de cristãos evangélicos nominais entre crianças, adolescentes e jovens. Em julho de 2011 a AMME Evangelizar concluiu e publicou, em inglês, um relatório de pesquisa realizada com 780 pessoas, crianças, adolescentes e jovens na maioria, em quinze cidades das três regiões mais populosas do país e constatou que 17,11% dos evangélicos entrevistados se declararam não praticantes. Esse número pode ser comparado ao dos ‘sem vínculo institucional’ no “Novo Mapa das Religiões” (Neri 2011), publicado dois meses depois do relatório da AMME e referente a adultos. Conforme Marcelo Neri e sua equipe, os evangélicos ‘sem igreja’ são 14%.

No trabalho com o grande número de adolescentes e jovens afetados de alguma forma por esses altos índices de desvio, é preciso identificar se eles se desviaram da Igreja ou da fé. Considerando essas duas possibilidades, ainda é possível identificar quatro categorias de desvio:

a) Hipocrisia – esses são os desviados dentro da igreja, aqueles que frequentam os cultos mas não vivem de acordo com a fé e ainda corrompem a outros. As pesquisas recentes falam do crescimento do sexo fora do casamento entre jovens na igreja, diminui a idade da primeira experiência sexual. Ouve-se também ques se torna comum a prática do homossexualismo e da pornografia. Vícios como a mentira e a violência de todos os tipos fazem parte do cotidiano desses crentes.
b) Afastamento – esses são os evangélicos não praticantes, aqueles que estão fora da igreja mas continuam se classificando como evangélicos. Não aderem a outra religião, eventualmente vão a algum culto, vivem junto a parentes envolvidos com a igreja, conservam alguns hábitos religiosos como símbolos, expressões e práticas.
c) Oposição – fazem forte oposição à fé evangélica, evidenciando escândalos, atacando práticas e lideranças até como modo de justificar seu afastamento. Podem assumir comportamentos abertamente anti-evangélicos como a promiscuidade, sensualidade, homossexualismo, violência etc. Promovem seu ataque a partir da experiência classificada como negativa: ‘eu fui evangélico, sei como é’.
d) Inversão – assumiram uma nova prática religiosa como o catolicismo, o espiritismo ou o islamismo, tanto para se distanciar do Evangelho como por se identificar com aspectos doutrinários ou práticos, i.e. reencarnação, disciplia islâmica, iconologia católica.

Além do trabalho da AMME com o programa Reconquista, há pouco trabalho específico no resgate de desviados e nenhum especializado no resgate de crianças, adolescentes e jovens. Preparando-se para oferecer opções nessa frente, a AMME reconhece que este é um trabalho triplamente dificultado: a) Por causa da natureza do adolescente – sua necessidade de individualização, seu sentimento de saber, sua vontade de poder; b) Por causa de sua experiência – o adolescente crescido na Igreja acha que conhece plenamente o cristianismo e desconfia das tentativas de lhe mostrarem algo novo; c) Por causa da Igreja – o Evangelho do ‘bem estar’ promovido atualmente pelas três principais correntes teológicas (da prosperidade, terapêutica e da libertação) formam um ‘outro evangelho’, incapaz de produzir uma conversão intensa, verdadeira e definitiva.

Há urgentes medidas corretivas, contensivas e preventiva a serem tomadas pela igreja. Mais do que resgatar adolescentes que se desviaram, a Igreja precisa urgentemente fechar as enormes brechas na muralha espiritual por onde seus membros mais jovens estão se desviando. Olhando para o cenário que temos adiante, esse não é um trabalho fácil, mas para Deus, tudo é possível, e o trabalho da AMME Evangelizar é cooperar com Deus nessa obra. Pacificadores em 2012 será um marco nessa luta. Ore por isso.

Bookmark and Share

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>