Contatos

Acompanhe o trabalho da AMME pela evangelização, apoie essa grande obra.

Para contato por e-mail com o portal da evangelização escreva para: portal@evangelizabrasil.com

Para contato telefônico com a AMME Evangelizar e Salva Vidas prefira ligar para (11) 4428 3222.

Atenção: Novo endereço do escritório da AMME - Avenida Itamarati, 192 - Vila Curuçá, Santo André - SP, 09290-730

Facebook: Curta a página da AMME no Facebook [clique]

Ofertas

A AMME evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas daqueles a quem serve (Gl 6:6).

Doe agora (pagseguro), faça sua oferta , com segurança e facilidade. Clique no botão ‘Doar’ e siga as instruções.

 

Deposite sua oferta para AMME no Banco do Brasil Agência: 1557-1 Conta: 115278-5

Para ofertas mensais solicite boletos por telefone: (11) 4428 3222, e-mail: portal@evangelizabrasil.com

Para ofertas em material, equipamento e serviço consulte as especificações pelo telefone (11) 4428 3222

Bookmark and Share

Oficina da AMME

Solicite agora uma oficina de evangelização para a sua igreja. Clique>

Bookmark and Share

O livro de Marcos

Essa é a nova publicação evangelística da AMME para ajudar sua igreja na evangelização. Para mais informações [clique aqui].

Bookmark and Share

A visão de Cristo

Para ajudar a Igreja Brasileira é preciso olhar para ela como Cristo a vê. Conheça o Manifesto da Visão que tem orientado a AMME evangelizar desde a sua fundação. Nossa visão é chamar a Igreja Brasileira de volta ao primeiro amor e ajudá-la a fazer as coisas mais importantes. Seis minutos de leitura: A Visão de Cristo (7380)

Bookmark and Share

6º CBM – Primeiro dia

Na abertura do 6º Congresso Brasileiro de Missões, Valdir Steuernagel, repetiu o tema que o tem movido na reedição da Aliança Evangélica: “Para que o mundo creia!” Jo 17:21c. A AMTB se associou à Aliança Evangélica e essa nova organização teve expressivo espaço durante o 6º CBM. É inegável que o amor entre os irmãos é um princípio fundamental da fé e da transformação. Exortando a Igreja à Unidade como modelo de Missão, Valdir falou de algo que sensibiliza a Igreja desde de sempre. Depois, a missióloga Durvalina Barreto Bezerra do Betel conduziu a assistência em intensa oração pela unidade da Igreja.

Na prática, tal unidade é mais difícil de conquistar. Questões culturais, identidades peculiares, interesses específicos, divergências estratégicas têm nos mantido bem separadas, tanto as missões como as igrejas. Um exemplo dessa dificuldade é, por exemplo, o planejamento de ações para a Copa 2014. Enquanto todos falam de unidade, cada missão tratava, durante o congresso e além dele, de lançar sua muito particular iniciativa e chamar todos os outros para se unirem ao seu projeto particular. Outro exemplo é a própria Aliança Evangélica tentando definir quem efetivamente são os evangélicos a serem incluídos e representados.

A distensão entre históricos e pentecostais, evangelistas e teólogos, tradução da Bíblia e plantação de igrejas, Bíblia e contexto, ação social e evangelização, missionários estrangeiros e nacionais, seria evidente durante todo o Congresso, embora vigorosamente denunciada e combatida em palestras como as de Ronaldo Lidório e de Aurivan Marins. De palestrante para palestrante, nos corredores da exposição, nas salas e nos corredores, correntes divergentes fluiam em movimentos paralelos, amenizados apenas pela educação e gentileza.

É na costura de parcerias que essa dificuldade na unidade mais se tem evidenciado, afinal, a unidade conceitual é utópia. É na unidade funcional, na conjunção missional que a unidade se torna eficiente e efetiva. Cada líder de agência missionária sabe que precisa desenvolver parcerias, sabe que não faremos a enorme e variada obra diante de nós sem cooperação. Então se esforçam, falam nos bastidores, tomam iniciativas, dão uns primeiros passos, sonham juntos e depois… nada ou muito pouco! A consecução de parcerias esbarra no apego a culturas particulares de cada organização, no receio de negociar elementos identitários em favor de uma visão coletiva e na difícil equalização da partição de responsabilidades.

Prato cheio para os críticos do sistema que se recusam a apresentar solução e se acham muito confortáveis em apedrejar aqueles que lutam com tanta dificuldade sobre a areia movediça de nossos dias. Além de nos faltar, no âmbito da nação, nas administração de organizações governamentais, privadas e sociais, uma história bem sucedida de parcerias que nos sirva de referência, também somos afetados pela pós-modernidade com a fluidez das instituições, coisa que dificulta ainda mais a homocinética organizacional.

A exortação à unidade é milenar, mas, sem desenvolver vias organizacionais para realizar sua funcionalidade, apenas gera grande estresse de iniciativa. Penso que, para levarmos a unidade a um nível prático, precisamos primeiro discutir soluções para superar os entraves ao trabalho em parceria.

Bookmark and Share

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>