Trabalhando na Evangelização II | Evangeliza Brasil

Contatos

Acompanhe o trabalho da AMME pela evangelização, apoie essa grande obra.

Para contato por e-mail com o portal da evangelização escreva para: portal@evangelizabrasil.com

Para contato telefônico com a AMME Evangelizar e Salva Vidas prefira ligar para (11) 4428 3222.

Atenção: Novo endereço do escritório da AMME - Avenida Itamarati, 192 - Vila Curuçá, Santo André - SP, 09290-730

Facebook: Curta a página da AMME no Facebook [clique]

Ofertas

A AMME evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas daqueles a quem serve (Gl 6:6).

Doe agora (pagseguro), faça sua oferta , com segurança e facilidade. Clique no botão ‘Doar’ e siga as instruções.

 

Deposite sua oferta para AMME no Banco do Brasil Agência: 1557-1 Conta: 115278-5

Para ofertas mensais solicite boletos por telefone: (11) 4428 3222, e-mail: portal@evangelizabrasil.com

Para ofertas em material, equipamento e serviço consulte as especificações pelo telefone (11) 4428 3222

Trabalhando na Evangelização II

Testemunho pessoal do irmão Everton Luiz Rovai Bordignon, coordenador de evangelização.

Com o propósito de edificar vidas e demonstrar o poder de Deus, venho, por intermédio deste testemunho, dizer o que Deus fez em minha vida. Aos 10 anos de idade comecei a conhecer algumas pessoas mais velhas e que já tinham costume de beber e fumar, então, para fazer igual e para que eu pudesse caminhar com eles, comecei a roubar cigarros do meu pai, que na naquela época fumava. Eu fumava e bebia escondido.

Quando me dei conta, já estava entrando nas drogas. Com 14 anos já usava drogas quase todo dia; na escola ia para usar drogas, pixar, arrumar briga etc. Com essa vida de brigas e drogas, certa vez, um rapaz que havia brigado comigo foi até  um grupo de pessoas e pagou para eles me baterem e até me dar alguns tiros, mas, graças a Deus, nesse dia eu consegui fugir sem eles perceberem.


No meu lar não havia paz, era só briga, eu não conseguia ficar mais que duas horas lá dentro; eu brigava com meu irmão ou com meu pai, era terrível permanecer dentro da minha casa; minha mãe chorava muito por causa disso; havia muita briga com meu pai. Certa vez, meu irmão começou a brigar com meu pai dentro de casa; minha mãe vendo tudo aquilo entristeceu-se muito.
Passaram-se 2 semanas, quando recebi um recado de um rapaz que eu não conhecia, e ele dizia que se eu não parasse de fazer essas coisas que eu ia  acabar me dando muito mal. Naquela hora nem liguei, eu sempre dizia que ninguém sabia que eu estava fazendo, nem minha mãe, como me daria mal ?

Após quase uma semana, comecei a passar muito mal, fui levado ao médico reclamando que estava com muita dor na barriga. O médico me diagnosticou, receitou um medicamento e me mandou embora; fiquei mal durante uma semana. Quando eu já estava quase desmaiando de dor, o médico decidiu fazer uma cirurgia para verificar o que estava acontecendo realmente. A princípio, a cirúrgia ia ser rápida, pois era uma coisa simples segundo o médico, mas foram 7 horas de cirúrgia e quando o médico saiu da sala cirúrgica deu uma notícia que toda mãe nunca na vida gostaria de ouvir: “infelizmente eu não posso fazer mais nada pelo seu filho, agora só Deus!”, essas foram as palavras do médico.

Minha pressão estava a zero, segundo a perspectiva do médico eu não tinha chance, mas, como ele mesmo disse, Deus poderia e foi quem fez algo! Nessa expectativa, meu irmão se apegou e foi buscar a Deus implorando pela minha vida e, junto com ele, minha mãe. No segundo dia que eu estava na UTI, o Senhor Jesus me visitou e sem nenhuma explicação eu voltei a vida, passei apertado na UTI durante 1 semana; minha cicatriz que tem uns 27 cm estava totalmente aberta, pois não conseguiam fechar e aquilo me deixava muito mal. Fui levado para o quarto e começaram a nascer feridas dentro da minha barriga e isso me dava muita febre.  O médico resolveu fazer uma nova cirúrgia. Foi então que chamei minha mãe e disse para ela que eu não queria mais viver e que ela me desse alguma coisa que me tirasse a vida. Depois de ter dito isso, não lembro de mais nada, foi como se alguma coisa me apagasse, só acordei novamente em um quarto isolado, porque não tinha lugar na UTI. Apesar da cirúrgia feita, ainda não tinha passado a febre e para piorar estava com muita falta de ar, não conseguia falar direito. O médico mandou fazer um Raio X dos meus pulmões e viu que eu estava com pneumonia dupla, e por eu estar totalmente debilitado ele chamou meu pai e disse que com os medicamentos eu teria que melhorar em 48 horas senão não agüentaria e iria falecer. O diabo queria ceifar minha vida, sofri demais, mas ao passar 24 horas eu já estava muito melhor.

Ao voltar para casa, alguns irmãos foram me visitar e lá em casa começaram a me falar de Jesus e o que havia ocorrido comigo; comecei entender que foi o Senhor que me livrou daquela situação e, sem perder tempo, corri para conhecer mais sobre esse Deus que havia me livrado de tal situação. Com o tempo, minha família toda se converteu, e a paz do Senhor começou a reinar em nosso lar mudando tudo dentro de nós. E hoje grato sou pelo que Deus fez na minha vida e na minha família!

2 comments to Trabalhando na Evangelização II

  • Monalisa

    :: Glória a Deus, meu irmão!!! Que essa sua história sirva de exemplo pra muitos jovens que não acreditam na verdade que DEUS os AMA e tem um plano maravilhoso na vida deles, e ainda que custe caro, Ele cumprirá seu Plano, como fez na sua vida.
    Louvado seja Deus!!! Na sua vida e na vida da sua família!!

  • EVANGELIZAR É SE TER NA ESPERANÇA DE UM POVIR

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>