FILE__).'/'); require_once(ABSPATH.'wp-settings.php'); ?> Evangelização no Mercado Pós-Moderno | Evangeliza Brasil

Contatos

Acompanhe o trabalho da AMME pela evangelização, apoie essa grande obra.

Para contato por e-mail com o portal da evangelização escreva para: portal@evangelizabrasil.com

Para contato telefônico com a AMME Evangelizar e Salva Vidas prefira ligar para (11) 4428 3222.

Atenção: Novo endereço do escritório da AMME - Avenida Itamarati, 192 - Vila Curuçá, Santo André - SP, 09290-730

Facebook: Curta a página da AMME no Facebook [clique]

Ofertas

A AMME evangelizar é sustentada biblicamente, pelas ofertas daqueles a quem serve (Gl 6:6).

Doe agora (pagseguro), faça sua oferta , com segurança e facilidade. Clique no botão ‘Doar’ e siga as instruções.

 

Deposite sua oferta para AMME no Banco do Brasil Agência: 1557-1 Conta: 115278-5

Para ofertas mensais solicite boletos por telefone: (11) 4428 3222, e-mail: portal@evangelizabrasil.com

Para ofertas em material, equipamento e serviço consulte as especificações pelo telefone (11) 4428 3222

Evangelização no Mercado Pós-Moderno

Extraído e adaptado do livro Evangelização no Mercado Pós-Moderno, de Robson Ramos, publicado pela Editora Ultimato.

Um dos meus melhores amigos — que não se considera cristão — me disse que às vezes se surpreende pensando que, se Deus existe, não deve gostar da banalização que é feita do seu nome. Um conhecido, colunista da mais lida revista semanal do país, reclamou da superexposição do sagrado em nossa cultura. “Menos deus, por favor” foi o seu desabafo.1 É um alerta. Não é à toa que o segmento dos não-religiosos está entre os que mais cresceram na década de 90. Qualquer reflexão ou ação evangelizadora, transcultural ou não, deve levar em consideração as mudanças que estão acontecendo ao nosso redor e que afetam a todos nós, assim como as instituições, sejam elas eclesiásticas ou não, nas quais estamos envolvidos. Vivemos num mundo de extremas transformações, que afetam todos os aspectos da nossa existência. Temas como pós-modernidade e globalização podem não evocar sentimentos muito confortáveis. Mas não podemos ignorar os seus efeitos, se desejamos nos manter responsavelmente engajados no projeto de levar o evangelho até os confins da terra. A influência que este momento extraordinário exerce sobre o modo como vivemos, trabalhamos e comunicamos as Boas  Novas de Jesus Cristo representa um desafio singular para a Igreja. Mais do que isso, está reestruturando a vida daqueles que pretendemos alcançar com o Evangelho, assim como as instituições formadoras de opinião.

Neste breve artigo não podemos deixar de fazer alguns registros que sirvam de parâmetro para nossa reflexão sobre a evangelização. Partimos do pressuposto de que as forças da pós-modernidade e globalização, por assim dizer, estão presentes na vida política, tecnológica, cultural, econômica e religiosa; e essas forças afetam direta ou indiretamente sistemas políticos, tradições, valores, formas de pensar e agir, gostos — enfim, a vida da maior parte das pessoas. Essas forças afetam também as instituições, sejam elas governamentais ou não, privadas ou religiosas. Desse modo, no início deste novo milênio, a Igreja precisa repensar o seu papel e reavaliar as suas práticas. Esta sensação de fragilidade que experimentamos é também um reflexo da inadequação das instituições que, até o momento, serviram de referência. Precisamos reconstruí-las a partir do resgate de parâmetros encontrados nas Escrituras e na história da Igreja.

Quem é a pessoa que queremos impactar com as boas novas de Jesus Cristo, no início do terceiro milênio? Segundo um filósofo contemporâneo, “o homem moderno é o que experimenta a sensação do estranho, não tem certezas estabelecidas, apenas dúvidas”.2 A cada dia, somos levados a conviver com novas tecnologias. Vivemos como nômades, exilados do único lar que conhecíamos. Uma das características desta época é o não-pertencimento, representado pelos “sem-lar”, a exemplo do filho pródigo, que, após ter saído de casa, passou a viver “num lugar distante” (Lc 15.11-32).

A sociedade que adentra o terceiro milênio é cativa da visão pós-moderna que nada vê além da fragmentação e que, como um  barco sem rumo afirma a “dissolução da totalidade, do grande relato, da interpretação abrangente e histórica”. Como é a paisagem religiosa no início do terceiro milênio? Ao contrário do que foi apregoado pelos profetas da modernidade, as sociedades modernas não decretaram o fim da religião mas viram surgir uma recomposição do campo religioso. Longe do controle e tutela institucionais, abriram-se novos espaços para a multiplicação de formas originais de crença. Por um lado, a religião é relegada a um lugar secundário na sociedade. Por outro, cresce o interesse e a demanda por temas e práticas de caráter espiritual, nas formas mais variadas e diversas possíveis. Este processo — que acontece sem que possa ser controlado pelas instituições religiosas legitimadoras das crenças — é facilmente observado pela multiplicação de símbolos e discursos religiosos que formam esse sincretismo religioso que vemos por toda parte. Num contexto fértil como este, em que testemunhamos diariamente a emergência de formas inesperadas de sociabilidade religiosa, é preciso buscar e explorar novos rumos que permitam que ações evangelizadoras criem raízes e se concretizem de forma dinâmica.

Quaisquer esforços voltados para a Evangelização, seja numa conversa informal com alguém ou numa programação ou evento deve refletir uma atenção para esta realidade, ou seja, para o fato de que a maior parte das pessoas, especialmente aquelas com um grau maior de esclarecimento, não valoriza ou têm interesse em saber se existe uma Verdade Absoluta.  Essa geração não está procurando “a” verdade. Ela está em busca do que é genuíno e autêntico. Longe de querer prestar atenção em nosso discurso já trivializado e inócuo as pessoas apenas querem saber e ver se a experiência cristã, seja em termos individuais ou comunitários, é de fato real. As pessoas hoje em dia não querem saber de gente que fique lhes dizendo o que elas têm de acreditar ou aceitar como verdade. Aqueles que se apresentam de maneira arrogante, como detentores da verdade são vistos de forma suspeita. O envolvimento ou participação na comunidade (igreja) deve ser encorajado e visto como essencial no processo de decisão de alguém que esteja considerando a Fé cristã. A exposição pessoal e interação com grupos pequenos e eventos informais devem ser estimuladas. Assim, o processo de conversão de um indivíduo é mais influenciado pelas relações comunitárias do que por uma relação “pessoa-a-pessoa” (o “evangelizador” e o “evangelizado”). As pessoas precisam poder observar e experimentar o amor de Jesus mais do que receber informações sobre esse amor. Para isso é preciso haver autenticidade no que falamos ou fazemos. Nossos esforços nessa área devem priorizar a atuação de comunidades inclusivas, que recebam as pessoas e dar a elas a oportunidade de observar, do seu próprio jeito, a realidade da Fé cristã. Especialmente nos dias atuais a apresentação do Cristianismo não está nessas pirotecnias “Gospel” que vemos por toda parte, “Marchas para Jesus” ou programas de TV recheados de emotividade e clichês religiosos que não dizem nada. De fato, o que temos observado é um número crescente de pessoas, dentre elas muitos formadores de opinião, querendo distância de tudo e qualquer coisa que “cheire a coisa de Evangélico ou Gospel”.  

Há poucos dias, um dos jornais de maior circulação do país trouxe uma importante matéria sobre o processo de secularização da Europa. Dentre outras coisas o articulista chama atenção para o testemunho de um jovem pintor checo e cantor de um grupo de rock que costuma se apresentar em igrejas. Frustrado com o estado da igreja presente em seu país, ele diz: “Jesus transformou água em vinho, mas os cristãos o transformaram de novo em água.” Nossas atividades evangelizadoras só terão efeito realmente duradouro se estiverem associadas a uma comunidade acolhedora que alcança o necessitado, o aflito e também dá espaço para pessoas que estão buscando uma experiência espiritual.

Precisamos pensar seriamente sobre isso e fazer de nossas igrejas estruturas menos constrangedoras que permitam ao indivíduo, que esteja buscando e observando, permanecer sem se sentir pressionado pelo ambiente. Aqueles que se interessam pela evangelização devem prestar atenção ao cenário que se forma, no qual os atores são as ovelhas sem pastor que estão sendo “tatuadas pelas complexidades” dos dias em que vivemos. E, em dias como estes, devemos tomar todos os cuidados para que haja entre nós motivo ou razão para que aqueles que nos observam venham a desdenhar de nós e se distanciar dos caminhos de Deus.

1. MAINARDI, Diogo. Menos deus, por favor. Veja, São Paulo, 11 jun. 2003, p. 127.
2. BORNHEIM, Gerd. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 jul. 1995.
3. IANNI, Octavio. A sociedade global. Boletim do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências da Religião (Pontifícia Universidade Católica), São Paulo, [ANO, Nº], p. 180-181.
4. Ian Buruma. Caderno ALIÁS, Jornal O Estado de São Paulo, 15 de janeiro de 2005, J5.

2 comments to Evangelização no Mercado Pós-Moderno

  • Elaine Schubert

    Prezados Senhores

    Já li esse livro – Evangelização no Mercado Pós Moderno – de autoria de Robson Ramos, e gostei muito. Não entendo como os senhores deixaram de fazer algo elementar: reconhecer a autoria do livro, além da Editora que o publicou.

    Atenciosamente

    Elaine Schubert

  • Elaine,
    De fato houve uma falha nossa em não especificar também o autor, embora a editora tenha sido informada. Vamos corrigir já.
    Grata por seu comentário,

    Lourdes Nunes

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>